Prevenção do Câncer do Colo Uterino

terça-feira, 20 de janeiro de 2009


Você sabia que o HPV é uma das causas mais frequente de doença sexualmente transmissível em todo o mundo?
O câncer do colo uterino, doença que atinge a mulher durante a idade reprodutiva, é, em 95% das vezes causado pelo Papilomavírus Humano dos tipos oncogênicos ou HPV 16 e 18, principalmente. No Brasil, é considerado a terceira neoplasia maligna mais frequente entre mulheres. Por isso, prevenir o câncer do colo uterino significa prevenir a infecção pelo HPV.
Estima-se que em torno de 1 milhão de novos casos de infecção por HPV sejam diagnosticados por ano e na sua maioria em pessoas jovens, com idade entre 15 e 30 anos. O sistema imunológico é capaz de combater a ação do vírus porém há situações que aumentam o risco, seja em contrair as verrugas genitais, seja em desenvolver câncer de colo. Entre eles estão: a variação de parceiros, o início precoce da vida sexual, o tabagismo e a presença de outras doenças sexualmente transmissíveis como Clamídia, Gonorréia, Sífilis e Aids.
Então, como prevenir o câncer de colo?
Começamos pela educação: toda mulher deve ser informada de que o exame de Papanicolau procura por alterações causadas pelo HPV nas células do colo uterino e que este exame tem que ser realizado periodicamente; deve saber também que o vírus pode ter um período longo de incubação e que sua detecção não significa necessariamente infidelidade por parte do seu parceiro sexual; todas as pessoas sexualmente ativas devem ser incentivadas a praticar sexo seguro, o que significa dizer relações sexuais onde não há trocas de secreções entre os parceiros, seja pelo uso de preservativos, seja por relações sexuais sem penetração.
Passamos agora à vacinação. Mulheres que recebem as informações acima são mais propensas a procurar vacinação para suas filhas.
A vacina profilática contra o HPV visa imunizar adolescentes e mulheres jovens que ainda não tenham tido contato com o vírus nos seus subtipos 6, 11, 16 e 18, prevenindo, assim, as lesões pré-malignas cervicais, o adenocarcinoma in situ, as verrugas genitais e as neoplasias intra-epiteliais de vulva e vagina. Pode ser aplicada a partir dos 9 anos de idade, seguindo o esquema de 3 doses intra-musculares, sendo a segunda dose 2 meses após a primeira e a terceira dose 6 meses após a primeira. Quanto ao tempo de duração do efeito da vacina, estudos mostram que a proteção dura além de 5 anos. Importante lembrar que a vacina não é terapêutica, não cura. A vacina previne as lesões HPV induzidas e não torna dispensável o uso de preservativos, já que existem outras doenças de transmissão sexual.
Efeitos colaterais são de leve intensidade e passageiros como dor local, eritema e prurido.
São, portanto, estas as formas das quais dispomos para reduzir os números e as estatísticas alarmantes desta doença que atinge mulheres ainda jovens. Cabe a cada uma de nós, mulheres, mães, irmãs ou amigas, fazer a nossa parte.

4 comentários:

Atila City disse...

seu banner esta lá no Pensamentos Urbanos.. um grande beijo...

Atila City disse...

hey, coloquei o banner la no pensamentos urbanos.. da uma conferida..
um grande abraço

ex amelias disse...

Obrigada, querido
Tô indo lá agora...
Beijo

Tamiii disse...

oi
adorei seu blog me ajudo
a intender um pouco do cancer de mama e do de utero.
sucesso
bjinhos :D