TPM

quinta-feira, 14 de agosto de 2008


Tocou, Perguntou...Morreu, Tô Pirada Mesmo, Tendência a Pontapés e Murros ...
Essas são apenas algumas das definições "bem humoradas" para a sequência das três letrinhas.
Brincadeiras a parte, a Tensão Pré-Menstrual é uma síndrome, ou seja, conjunto de sinais e sintomas que provocam alterações físicas e desestabilizam o equilíbrio emocional da mulher durante a fase lútea do ciclo menstrual.
Explicando melhor, o ciclo menstrual é constituído basicamente por 4 fases: folicular, ovulatória, lútea e menstrual, mediadas e definidas pela interação entre os hormônios da glândula hipófise e os hormônios sexuais dos ovários. Na fase lútea ou pré-menstrual, por ação da progesterona, há uma tendência a modificações do humor e algumas mudanças no corpo da mulher.
As alterações do humor podem variar desde uma leve depressão, falta de apetite, desânimo, até irritação e insônia.
Quanto as mudanças físicas, as mais frequentes são retenção de líquidos, dores de cabeça, constipação intestinal e acne.
Estima-se que em torno de 70% das mulheres em idade reprodutiva apresentam alguns destes sintomas na fase pré menstrual. Por definição, o diagnóstico de Tensão Pré Menstrual ou Síndrome Disfórica Pré Menstrual é dado quando a mulher apresenta pelo menos 5 destes sintomas na maioria dos ciclos, durante o período de 1 ano. Porém, é imprescindível afastar uma possível disfunção da tireóide que tem sinais e sintomas parecidos e merece tratamento adequado.
O tratamento da TPM varia com a avaliação de cada caso, levando-se em conta não somente exames laboratoriais e por imagem como também a historia de cada mulher. Sabe-se que os sintomas são mais acentuados naquelas mulheres com tendência depressiva ou que não lidam bem com as frustações. Por isso, muitas vezes uma simples, mas, esclaredora, orientação no sentido de mudanças de hábitos de vida como incentivo a atividades físicas, dieta rica em vitaminas, cálcio, magnésio, ferro, proteínas e com baixo teor de gorduras e dimunuição do nível de estresse através de momentos reservados ao lazer e ao repouso são suficientes. Atitudes como essas colaboram com a manutenção dos níveis de serotonina no Sistema Nervoso Central, neurotransmissor que regula o humor e a estabilidade emocional.
Nos casos mais graves pode-se lançar mão de tratamento medicamentoso. Os anticoncepcionais de baixa dosagem são uma boa opção, na maioria das vezes bem aceitos se indicados de acordo com o perfil de cada mulher. Antidepressivos inibidores da recaptação da serotonina, como fluoxetina e paroxetina, podem ser usados com segurança nos dias que antecedem a menstruação.
Detalhe importante no que se refere ao diagnóstico e adesão ao tratamento é o esclarecimento e explicação oferecidos a mulher sobre o funcionamento do seu ciclo para que ela própria aprenda a reconhecer os sintomas com brevidade e encontre a sua forma de lidar com isso. Ela vai descobrir que a Temporada de Problemas Misturados muitas vezes apenas requer um Tempo Para Meditação e que nem Toda Paixão Morre...

Solange Portela, ginecologista

2 comentários:

Milouska disse...

Obrigada pela visita ao meu blogue.
Passei para ver o teu e considero q tem informação útil para todas as mulheres e n só.
Um bj,

ex amelias disse...

Obrigada...que bom que vc gostou !!
Seja benvinda...